sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Pesquisadores do IG são autores de capítulos do livro sobre Redução de Risco de Desastres lançado durante a comemoração dos 41 anos da Defesa Civil Estadual

 Cerimônia em comemoração aos 41 anos da Defesa Civil 
 Secretária-Chefe da Casa Militar e autores do livro
Lídia Keiko Tominaga e Jair Santoro escreveram capítulo no livro 

Durante a comemoração dos 41 anos da Coordenadoria Estadual de defesa Civil de São Paulo em cerimônia realizada no Palácio dos Bandeirantes no dia 23 de fevereiro de 2017, ocorreu o lançamento do livro intitulado: “Redução de risco de desastres – uma construção da resiliência local”, que tem por objetivo fornecer subsídios à gestão de riscos e desastres ambientais. Os quinze capítulos do livro discutem os cenários diferenciados de vulnerabilidade do Brasil e da América Latina em relação aos seus aspectos geográficos, socioeconômicos, culturais e técnico-científicos. Dois deles foram escritos com participação de geólogos do Núcleo de Geologia de Engenharia e Ambiental do Instituto Geológico (IG).

O capítulo 5, escrito em parceria pela geóloga Lídia Keiko Tominaga do IG e pelo geólogo Marcelo Gramani do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), trata da identificação e mapeamento de áreas de risco de desastres naturais e apresenta os conceitos básicos e as análises relacionadas ao perigo e ao risco, e métodos de avaliação e mapeamentos de risco a deslizamentos e inundação aplicados no estado de São Paulo e no País.

Os autores apresentam as definições de desastres naturais e os tipos de eventos associados, como movimentos de massa, erosão, inundações e enxurradas. Descrevem também o processo de mapeamento e análise de risco envolvendo as etapas de avaliação dos perigos potenciais e das condições de vulnerabilidade, os quais podem potencializar a ocorrência de danos às pessoas, bens e propriedades, ao meio ambiente e às atividades econômicas das quais a sociedade depende.

O capítulo 7, escrito em parceria pelos geólogos Jair Santoro do IG e Fabricio Mirandola do IPT, aborda os critérios aplicáveis nas atividades de vistoria e interdição de edificações em áreas de risco, além das implicações jurídicas e administrativas relacionadas a tais ações. Aborda também a definição dos critérios técnicos para a deflagração de ações levando em consideração que a água (e, consequentemente, a chuva) é o principal agente que desencadeia os deslizamentos. As vistorias de campo também são fundamentais nas ações de remoção preventiva das populações que ocupam as áreas de risco. As vistorias de campo são voltadas para a identificação de feições de instabilidade, como trincas nos solos e moradias e inclinações de árvores, postes e muros, e também de outras características como encostas com alta ou baixa declividade, lançamento de água servida, presença de fossas e concentração de água de chuva. O resultado destas vistorias é que indica a necessidade ou não da remoção de moradores quando em situação de risco iminente.

O livro será distribuído às equipes das Defesa Civil dos municípios paulistas e também de outros estados e em breve estará disponível em formato digital para download.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Pesquisador do Instituto Geológico ministra sobre cavernas em Curso de Formação de Condutor Ambiental no PETAR

 Aula Teórica no Núcleo Ouro Grosso
Aula Prática na Serra da Boa Vista

O pesquisador científico do Instituto Geológico (IG) Dr. José Antônio Ferrari ministrou aulas durante a oitava edição do Curso de Formação de Condutor Ambiental no PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira). Ferrari abordou sobre conceitos de geomorfologia e drenagens em sistemas cársticos e explicou ainda sobre as pesquisas do IG em andamento na região do Parque. As aulas foram realizadas no Núcleo Ouro Grosso entre os dias 07 e 09 de fevereiro de 2017.

O curso de difusão da Universidade de São Paulo (USP) começou em 2005 por iniciativa do GGEO (Grupo de Espeleologia da Geologia da USP), conta com a participação de 46 moradores da região e tem duração de 360 horas, das quais 120 são de estágio. Promovido pelo Instituto de Geociências da USP, em parceria a Fundação Florestal (FF), Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, prefeituras de Iporanga e Apiaí. Conta com o apoio do IG, empresas privadas e universidades da região. O principal objetivo é construir uma fundamentação conceitual alicerçada no conhecimento geológico, capacitando os participantes a desenvolver um raciocínio baseado no entendimento de processos geológicos, seus produtos naturais e a percepção das escalas de tempo e espaço envolvidas, a fim de aplicar esses conhecimentos no dia-a-dia da comunidade local, trazendo melhorias de qualidade de vida e ambiental.

Um dos pioneiros na introdução de conceitos da geodiversidade em Unidades de Conservação, o curso teve significativa importância na valorização e disseminação de práticas de preservação e conservação ambiental na região, pois permitiu aos condutores ambientais a valorizarem a cultura local, o ambiente natural e a relação do homem com a natureza, reconhecendo os processos naturais e suas interações.

Sob coordenação geral do Geólogo Dr. Paulo Cesar Boggiani, Prof. do Departamento de Sedimentologia do IGc-USP, o curso contou também com a participação dos geólogos do GGEO Lucas Padoan de Sá Godinho (doutorando do IGc-USP) e Nicolás Misailidis Stríkis (Prof. do Departamento de Geoquímica da Universidade Federal Fluminense).

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Instituto Geológico recebe visita da Secretária-Chefe da Casa Militar

 Diretora Luciana apresentando o histórico do IG
Luciana Martin Rodrigues Ferreira e a Cel. PM Helena dos Santos Reis

No dia 14 de fevereiro de 2017 a secretária-chefe da Casa Militar e Coordenadora Estadual de Defesa Civil (CEDEC), Coronel PM Helena dos Santos Reis, juntamente com o Diretor do Núcleo de Controle da CEDEC, Cap. PM Marcelo Vieira dos Santos estiveram na sede do Instituto Geológico (IG), onde participaram de uma reunião com o Diretora Geral do IG, Luciana Martin Rodrigues Ferreira. Estiveram presentes ainda, a Vice-Diretora do IG, Rosângela do Amaral, a Diretora substituta do Núcleo de Geologia de Engenharia e Ambiental, Lídia Keiko Tominaga e os pesquisadores do grupo de risco Cláudio José Ferreira e Ricardo Vedovello.

O objetivo da reunião foi apresentar as ações sobre prevenção de desastres naturais em andamento no Estado e em suas respectivas instituições, no escopo do Programa Estadual de Prevenção de Desastres e Redução de Riscos Geológicos.

A diretora do IG fez uma breve apresentação do histórico da instituição, destacando as áreas de atuação estratégica e a importância das pesquisas realizadas como subsídio para as políticas públicas, para o ordenamento territorial, e demais demandas governamentais. Entre outros temas abordados durante o encontro, o destaque foi para os Planos Preventivos de Defesa Civil e Planos de Contingência.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Instituto Geológico apresenta balanço parcial de atendimentos do Plano Preventivo de Defesa Civil Estadual 2016-2017

Atendimento em Francisco Morato

O Plano Preventivo de Defesa Civil (PPDC) entra em operação anualmente, no período de (01/12 à 31/03) por isso também é conhecido como “Operação Chuvas de Verão”. É coordenado pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (CEDEC) e conta com o apoio técnico do Instituto Geológico (IG), instituído por meio de Termo de Cooperação Técnica entre os dois órgãos. Atualmente o plano abrange um total de 175 municípios em diversas regiões do estado.

O PPDC envolve ações de monitoramento dos índices pluviométricos (chuvas), previsão meteorológica, vistorias de campo e atendimentos emergenciais. O Plano está dividido em 4 níveis operacionais: OBSERVAÇÃO, ATENÇÃO, ALERTA E ALERTA MÁXIMO e para cada nível existe uma ação específica para enfrentamento da situação. O PPDC tem um caráter preventivo, com objetivo principal de evitar a ocorrência de mortes, por meio da remoção preventiva e/ou temporária da população que ocupa as áreas de risco, antes que os escorregamentos atinjam suas moradias.

Desde que foi criado em 1989 o PPDC constitui-se em um importante instrumento capaz de subsidiar as ações preventivas dos poderes públicos municipais e estadual, principalmente quando estes buscam soluções de problemas causados pela ocupação de áreas de risco. Também podem ocorrer atendimentos emergenciais a outras localidades que não possuem Planos Preventivos, tendo em vista a prevenção de acidentes, a partir do acionamento e análise do evento por parte da CEDEC e do IG.

As vistorias técnicas implicam em fazer a avaliação das áreas críticas sujeitas a escorregamentos de encosta indicadas pelas Defesas Civis Municipais (COMDECS) de forma a propor a interdição de moradias em risco iminente com necessidade de remoção de moradores. Esta atuação tem por objetivo principal preservar a vida dessas pessoas.

Ocorreram atendimentos em 5 municípios (que operam os planos preventivos) desde que a atual operação do plano entrou em vigor, por solicitação da CEDEC, o IG realizou vistorias em: Francisco Morato (5 áreas), Itapevi (2 áreas), Vargem Grande Paulista (1 área), São Sebastião (1 área) e Bom Jesus dos Perdões (3 áreas). Como balanço parcial dos atendimentos realizados nas 12 áreas constatou-se:

– interdição temporária de 34 casas;

– remoção preventiva de 136 pessoas;

– interdição definitiva de 16 moradias;

– remoção definitiva de 64 pessoas.

Para mais informações acesse o site da Defesa Civil: (http://www.defesacivil.sp.gov.br/)

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Instituto Geológico disponibiliza online Boletins históricos da Comissão Geographica e Geologica

Boletins da CGG

No final de 2016 a equipe do Centro de Comunicação Técnico-Científica do Instituto Geológico (IG), em conjunto com o Núcleo Curadoria do Acervo Histórico realizaram a digitalização dos boletins da Comissão Geographica e Geologica (CGG). Ao todo foram digitalizados e disponibilizados 21 boletins que agora poderão ser acessadas por pesquisadores, estudantes e público interessado.

Com recursos próprios, todo o processo de digitalização e edição digital durou aproximadamente um ano. Os boletins ficarão disponíveis no site do IG (http://igeologico.sp.gov.br/publicacoes/boletim-cgg/).

O Boletim foi um periódico editado em fascículos com designação numérica e/ou cronológica, em intervalos pré-fixados (periodicidade), por tempo determinado (1889-1930), com a colaboração de um ou mais autores, tratando de assuntos sobre Geociências e áreas correlatas. Foram publicações de conteúdo técnico-científico com informações baseadas em resultados experimentais, que continham informações, observações de cunho científico e de divulgação emitindo opiniões técnicas dos especialistas apresentadas sob a forma de boletim de fácil leitura.

Criado em 2010 o Núcleo Curadoria do Acervo Histórico tem como objetivo identificar, organizar, descrever, preservar e divulgar o acesso às informações de uma importante documentação relativa aos estudos geocientíficos que nortearam a ocupação do solo no Estado de São Paulo. O arquivo abrange o período entre 1886 e 1975 e seu objetivo maior é permitir o fácil acesso às informações contidas na documentação para pleno uso dos cidadãos e dos pesquisadores.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Mapeamento de áreas de risco de 31 municípios do Estado de São Paulo conta com recursos do BIRD

Área de risco em Taboão da Serra


O Estado de São Paulo e o Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento (BIRD) firmaram o Contrato de Empréstimo nº 8272-BR, datado de 24 de setembro de 2013, para desenvolver o PROGRAMA DE TRANSPORTE, LOGÍSTICA E MEIO AMBIENTE (PROJETO DE TRANSPORTE SUSTENTÁVEL DO ESTADO DE SÃO PAULO). Parte dos recursos será utilizada para a contratação de instituições visando à prestação de serviços de consultoria, dentre os quais o mapeamento de áreas de risco de 31 municípios localizados na Região Metropolitana de São Paulo e do Litoral Norte. O Instituto Geológico (IG) é um dos órgãos responsáveis pela gestão de riscos ligados a eventos geodinâmicos que envolve o projeto.

O objetivo geral do projeto é promover a incorporação de parâmetros e atributos da gestão de risco de desastres a eventos geodinâmicos nos planos estratégicos, gerenciais e operacionais do Setor de Transportes – ST, bem como promover a eficiente implementação do Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geológicos do Estado de São Paulo – PDN (Decreto 57.512/2011).

As empresas interessadas pela prestação de serviços de consultoria podem entregar a manifestação de interesse até às 16 horas do dia 03/02/2017 (horário de Brasília).

Para maiores informações CLIQUE AQUI ou acesse o site http://igeologico.sp.gov.br/licitacoes-ig/

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Revista do Instituto Geológico no novo Portal de Periódicos Eletrônicos em Geociências

Portal de Revistas do Instituto Geológico

A Revista do Instituto Geológico está disponível para download na nova plataforma do Portal de Periódicos Eletrônicos em Geociências, que utiliza o sistema OJS (Open Journal System), no seguinte link:


As últimas edições da Revista abordam temas relacionados à suscetibilidade e risco a inundação, geodiversidade e geoconservação, palinologia do Quaternário, paleontologia de vertebrados, o flúor nos aquíferos de São Paulo, entre outros.

A Revista foi aceita para compor a base de dados do Scopus (Elsevier), um dos principais indexadores internacionais, o que aumentará sua divulgação no meio científico. Além disso, foi atribuído o DOI para todos os artigos da coleção, desde 1980.

Convidamos todos os colegas a submeterem artigos científicos para a Revista do Instituto Geológico. Serão muito bem-vindos.

Corpo Editorial