terça-feira, 27 de setembro de 2016

Instituto Geológico comemora 41 anos de criação

Logo do Instituto Geológico

Há 41 anos por meio do Decreto Estadual n.º 6.822 de 26 de setembro de 1975 determinou que o Instituto Geográfico e Geológico (IGG) passa-se a denominar-se Instituto Geológico (IG). Há 29 anos por meio do Decreto Estadual n.º 26.942 de 01 de abril de 1987 determinou a transferência do IG da Secretaria de Agricultura e Abastecimento para a recém criada Secretaria do Meio Ambiente.

Originário da antiga “Comissão Geográfica e Geológica da Província de São Paulo – CGG”, que foi criada em 1886 com o objetivo de planejar e executar estudos e pesquisas para subsidiar a ocupação do território paulista, o IG representa o esforço mais antigo da pesquisa científica no Estado de São Paulo.

Atualmente o Instituto caracteriza-se como um centro de referência em Geociências na resposta aos desafios da sociedade e tem como missão institucional contemplar a geração de conhecimento sobre o meio físico, por meio do desenvolvimento de estudos e pesquisas, disseminação e aplicação dos resultados, e prestação de serviços à comunidade, para dar suporte à gestão ambiental, ao desenvolvimento sustentável, à implementação de políticas públicas e à definição de políticas de Ciência e Tecnologia e de Inovação Tecnológica. O IG é uma das instituições do país que possui espectro mais abrangente de atuação em Geociências, com aplicação ampla e diversificada para diferentes finalidades.

O IG realiza estudos e pesquisas em geociências para fornecer subsídios técnicos e científicos ao poder público e à sociedade, visando: ao uso racional, à conservação e à proteção dos recursos naturais, inclusive os não renováveis; ao ordenamento territorial e à mitigação de problemas ambientais; à formulação e à implementação de políticas públicas voltadas ao meio ambiente e ao desenvolvimento sustentável. As pesquisas científicas desenvolvidas visam contribuir para o desenvolvimento da ciência e tecnologia na área de geociências; o aperfeiçoamento da legislação ambiental; a definição das políticas de ciência e tecnologia em geociências, no âmbito estadual e federal. São, portanto, desenvolvidas considerando sua aplicabilidade para o desenvolvimento sócio-econômico e ambiental do Estado de São Paulo e em prol da sociedade.

Áreas de Atuação do IG
Geologia Geral
Geotecnia
Geologia Ambiental
Hidrogeologia
Recursos Minerais
Paleontologia
Geomorfologia
Climatologia
Dinâmica de Uso e Ocupação do Solo
Geoinformação
Museu Geológico
Monumentos Geológicos
Acervo Histórico

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

MUGEO participa da 3ª edição da Mostra de Museus do Estado de São Paulo

MUGEO

No dia 17 de setembro (sábado), das 10h00 às 18h00, o Governo do Estado de São Paulo realiza a terceira edição da Mostra de Museus. O evento reunirá mais de 50 atividades dos 19 museus da Secretaria da Cultura no Parque da Água Branca (Av. Francisco Matarazzo, 455 – Barra Funda) e apresentará um pouco do que cada local oferece, a fim de aproximar os visitantes das instituições da capital, interior e litoral. A programação completa está disponível no site http://www.cultura.sp.gov.br/mostrademuseus/index.html.

Durante a mostra, o público poderá conhecer a diversidade do patrimônio cultural dos 19 museus da Secretaria da Cultura. Além das atividades que ocorrerão nos estandes de cada instituição, os visitantes encontrarão uma intensa programação para todas as idades distribuídas pelo parque: contação de histórias, degustação de café, oficina de grafite, envio de cartões postais e muito mais. Às 17h, o evento termina com show da banda Folk na Kombi, no palco.

Participam da mostra os seguintes museus da capital paulista: Casa das Rosas, Casa Guilherme de Almeida, Catavento, Memorial da Resistência, Museu Afro Brasil, Museu da Casa Brasileira, MIS-SP (Museu da Imagem e do Som), Museu da Imigração, Museu da Língua Portuguesa, Museu do Futebol, Museu de Arte Sacra de São Paulo, Estação Pinacoteca, Pinacoteca de São Paulo, Paço das Artes e Museu da Diversidade Sexual. O Museu Geológico Valdemar Lefèvre (MUGEO), que fica dentro do Parque da Água Branca, também participará este ano, com visita mediada das 10h00 às 17h00.

Representantes do interior e litoral também marcam presença: Museu do Café (Santos), Museu Índia Vanuíre (Tupã), Museu Felícia Leirner (Campos do Jordão) e Museu Casa de Portinari (Brodowski) irão apresentar uma amostra de suas atividades para a capital paulista.

Passaporte
Além de vivenciar em um único dia as histórias, culturas e a diversidade temática de todas as instituições participantes, os visitantes receberão um exemplar do “Passaporte dos Museus”, que dá direito a uma entrada gratuita em cada um dos museus do Governo do Estado de São Paulo por tempo indeterminado.

Programação especial
Entre os destaques da programação estão as oficinas que devem aproximar o público do universo tratado por cada museu. O Museu da Diversidade Sexual, por exemplo, apresentará a atividade “Construindo a diversidade sexual” a partir das 10h00; Já o Museu de Arte Sacra de São Paulo realiza a “Oficina de tijolos adobe”, técnica secular de construção, das 11h00 às 12h00. A oficina de confecção de peteca, do Museu Índia Vanuíre, será realizada das 10h00 às 13h00; “O MIS-SP e a fotografia”, com sessões das 11h30 às 16h30, mostrará parte do acervo da instituição; Sucesso no museu, a oficina de construção de miniterrário do Catavento será realizada das 13h00 às 14h00; Quem quiser aprender a fazer um bom café, poderá participar da “Dica do Barista”, do Museu do Café, das 13h00 às 14h00.

A produção do evento é realizada pela Organização Social A Casa – Museu de Artes e Artefatos. O evento tem o apoio da Secretaria do Meio Ambiente do Estado, mantenedora do Parque da Água Branca.

SERVIÇO:
3ª Mostra de Museus do Governo do Estado
Local: Parque da Água Branca
Data: 17 de setembro (Sábado)
Endereço: Av. Francisco Matarazzo, 455 – Barra Funda, São Paulo – SP
Horário: das 10h00 às 18h00
Entrada: Gratuita

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Instituto Geológico participa do I Seminário Estadual de Educação e Redução de Risco e Desastres

 
Eduardo Macedo – IPT, Tenente-Coronel PM Walter Nyakas Jr. - CEDEC e Pedro Carignato Basílio Leal - IG
Profa. Debora Olivato, os bolsistas Murilo, Monique, Mauricio e Pedro Carignato Basílio Leal 


No dia 25/08/2016 foi realizado, no Palácio dos Bandeirantes, o I Seminário Estadual de Educação e Redução de Risco e Desastres. O evento, que reuniu pesquisadores, técnicos e demais profissionais ligados às áreas de educação e de gestão de riscos e desastres naturais, foi organizado em conjunto pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (CEDEC) e a Secretaria de Estado da Educação (SEE). Neste seminário estiveram presentes o Secretário-Chefe da Casa Militar e Coordenador Estadual de Defesa Civil (CEDEC/SP), Coronel PM José Roberto Rodrigues de Oliveira, o Secretário de Estado da Educação, Renato Nalini e o Diretor do Instituto Geológico (IG), Ricardo Vedovello, dentre outras autoridades.

A proposta do seminário foi a iniciar uma discussão sobre como os professores da rede pública estadual, por meio das práticas pedagógicas/curriculares existentes, podem promover uma nova cultura de prevenção e de enfrentamento dos desastres naturais, junto à comunidade escolar, de forma a desenvolver sua autonomia e maior resiliência a estes processos.

Os principais meios de orientação que foram discutidos e apresentados no seminário para a discussão do tema, foram a necessidade de um trabalho maior nas escolas com palestras, cursos e oficinas, proferidas por profissionais ligados à área que iriam transmitir este conhecimento aos professores, para que estes posteriormente trabalhem com os alunos dentro dos conteúdos curriculares.

Dentro deste proposito, O IG apresentou suas principais ações desenvolvidas nessa temática, como a realização de cursos de percepção de perigos e riscos geológicos direcionados aos profissionais da educação (Diretores, Coordenadores Pedagógicos, Professores e Funcionários), bem como o projeto desenvolvido pelo Geografo Pedro Carignato Basílio Leal (Assistente Técnico de Pesquisa – IG), junto aos alunos de escolas da rede pública paulista no litoral do estado, no qual desenvolve a percepção dos riscos dos estudantes e o seu potencial de contribuição para a resiliência de sua comunidade. Esse projeto foi premiado pela CEDEC com o seguinte tema: “Uso do SIG no Estudo de escolas seguras na prevenção de perigo de escorregamento de terra no município de Ubatuba (SP)”, desenvolvido pelo estudante Maurício Santos de Jesus, bolsista de Iniciação Científica (CNPq/PIBIC) no IG.

O seminário contou ainda com o apoio da USAID/OFDA (Office of U.S. Foreing Disaster Assistence).

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Secretário do Meio Ambiente visita o Instituto Geológico

Sede do Instituto Geológico (IG)


No dia 16 de agosto de 2016 o novo Secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SMA), Dr. Ricardo Salles, juntamente com a equipe do seu Gabinete, visitaram a sede do Instituto Geológico (IG), situado na Rua Joaquim Távora, 822 na Vila Mariana, em São Paulo.

O Diretor Geral do IG, Dr. Ricardo Vedovello, fez uma breve apresentação sobre as áreas de atuação do Instituto, que tem como missão principal a realização de pesquisas científicas em geociências e meio ambiente para implementação de políticas públicas no Estado de São Paulo.

Na ocasião o novo secretário foi apresentado aos funcionários e percorreu as dependências da instituição para verificar o andamento das reformas na sede.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Mapa Paraíba do Sul: Potencialidade de Areia – Fase II disponível para download

 
Capa da publicação
Mapa da publicação

Os núcleos de Recursos Minerais e de Geologia Geral, do Centro de Geologia e Meio Ambiente do Instituto Geológico (IG), apresentam os resultados obtidos com o projeto de pesquisa Paraíba do Sul: Potencialidade de Areia – Trecho Roseira–Queluz (Fase II).

Ele representa a continuidade do Projeto Paraíba do Sul: Potencialidade de Areia – Trecho Jacareí–Pindamonhangaba (Fase I), executado pelo IG no ano de 1997.

Os dois projetos responderam demandas da Secretaria do Meio Ambiente, relacionadas à necessidade do estabelecimento de diretrizes para o disciplinamento da atividade extrativa de areia na bacia de drenagem do Rio Paraíba do Sul. O primeiro subsidiou a elaboração do zoneamento ambiental da atividade de extração da areia no trecho Jacareí – Pindamonhangaba, estabelecido pela Resolução SMA 28 de 22/09/1999, enquanto que o atual projeto atendeu uma solicitação direta do Grupo de Trabalho criado pela Resolução SMA 16 de 28/04/2011, para o estabelecimento da potencialidade de areia no restante da várzea do rio Paraíba do Sul, no trecho Roseira – Queluz.

O principal objetivo da Fase II foi delimitar a potencialidade de areia na área da planície aluvionar holocênica do Rio Paraíba do Sul, compreendida entre Roseira e Queluz, para fins de planejamento físico-territorial.

A área dos estudos insere-se na Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul, incluindo parte dos municípios de Roseira, Aparecida, Potim, Guaratinguetá, Lorena, Canas, Cachoeira Paulista, Cruzeiro, Lavrinhas e Queluz.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Instituto Geológico realizou o 6º Seminário de Iniciação Científica PIBIC-IG


No dia 07 de junho de 2016 o Instituto Geológico (IG) realizou o “6º Seminário de Iniciação Científica PIBIC-IG” na Sede do IG, sito na Rua Joaquim Távora, 822, São Paulo.

Com uma visão multidisciplinar, o seminário teve uma temática moderna, atraindo profissionais, técnicos, professores, graduandos e o público em geral. No evento foram apresentados trabalhos científicos de atividades de pesquisa em Geociências dos bolsistas de iniciação científica dos Programas de Bolsas de Iniciação Científica do IG (PIBIC ensino médio, e PIBIC ensino superior) que fomentaram debates sobre diversos temas das Geociências e Meio Ambiente.

Houve duas avaliações dos trabalhos apresentados, uma realizada por pesquisadores da instituição, e outra pelo público participante. Na avaliação do público, na modalidade Ensino Médio, ficou em primeiro lugar o trabalho intitulado: “MONITORAMENTO DO RISCO DE ESCORREGAMENTOS NO SERTÃO DO BAIRRO DA ENSEADA – UBATUBA (SP)” do bolsista Marcos Vinícius de Jesus Guimarães; e na modalidade Ensino Superior o trabalho premiado foi: “CONTAMINAÇÃO POR NITRATO E SUA RELAÇÃO COM O CRESCIMENTO URBANO NO SISTEMA AQUÍFERO BAURU, NA ÁREA URBANA DE MARÍLIA (SP)” do bolsista Guilherme Mascalchi de Figueiredo. Na avaliação dos pesquisadores, na modalidade Ensino Médio, ficou em primeiro lugar o trabalho intitulado: “O USO DE SIG NA CARACTERIZAÇÃO DE RISCOS GEODINÂMICOS EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA, SP” do bolsista Maurício Santos de Jesus; e na modalidade Ensino Superior o trabalho premiado foi: “RELAÇÃO ENTRE O CLIMA URBANO E A INCIDÊNCIA DE DENGUE EM SÃO PAULO/SP E PORTO ALEGRE/RS NO ANO DE 2014” do bolsista Ricardo Brandolt.

Para Baixar os Resumos dos Trabalhos Apresentados: CLIQUE AQUI

O evento foi organizado pelo Comitê Institucional do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica do Instituto Geológico – PIBIC-IG. A Comissão Científica foi constituída pelos membros do Comitê.

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Secretaria do Meio Ambiente lança Mapa de Vulnerabilidade das Áreas Urbanas de Uso Residencial/Comercial/Serviços à Eventos Geodinâmicos do Estado de São Paulo no Dia Mundial do Meio Ambiente

 
 Apresentação no Jardim Botânico
Mapa da Cobertura e Uso do Solo 
Mapa de Vulnerabilidade


A comemoração do dia Mundial do Meio Ambiente e dos 30 anos de criação da Secretaria do Meio Ambiente (SMA) realizado em 05/06/2016, no Jardim Botânico de São Paulo contou com o lançamento de importantes produtos técnicos necessários ao planejamento e gestão ambiental do território paulista: o ‘Sistema de Classificação “Unidade Homogênea de Cobertura da Terra, Uso e Padrão da Ocupação Urbana” – UHCT’, e dois produtos derivados, o ‘Mapa de Cobertura da Terra e do Uso do Solo Urbano’; e o ‘Mapa da Vulnerabilidade de Áreas Urbanas de Uso “Residencial/comercial/serviços” a Eventos Geodinâmicos do Estado de São Paulo’.

Este material vem sendo elaborado desde 2011, conforme estratégia da SMA, para a padronização de dados técnicos ambientais necessários ao atendimento de políticas públicas de caráter ambiental e seus instrumentos técnicos associados. Atendem, assim, ao preconizado na PEMC – Política Estadual de Mudanças Climáticas (Lei Estadual nº 13.798/2009), na Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (Lei Federal 12.608/2012), no PDN – Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e de Redução de Riscos Geológicos (Decreto Estadual nº 57.512, de 11/11/2011). Seu uso está previsto como um dos planos de informação no desenvolvimento do Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado de São Paulo (coordenado pela CPLA-SMA – Coordenadoria de Planejamento Ambienta), do Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de São Paulo (coordenado pela EMPLASA), na elaboração de mapas de perigos geológicos e riscos de desastres (coordenado pelo IG – Instituto Geológico), dentre outros projetos e programas em andamento no Estado de SP.

A UHCT é um sistema de classificação do uso e cobertura da terra e do padrão da ocupação urbana desenvolvido para o Estado de São Paulo. Essa abordagem, baseada em unidades territoriais homogêneas, permite identificar, para uma determinada área, suas potencialidades e limitações de uso, fornecendo subsídios à diversos estudos e avaliações ambientais assim como análises de vulnerabilidades e riscos geodinâmicos, informações fundamentais para a gestão dos recursos hídricos e do meio ambiente. Dispõe, para uso comum, uma base de informações única, padronizada e atual que permite comparações e análises diversas em nível regional e urbano em todo território paulista. Por meio de operações de consulta à base de dados é possível obter, de forma direta, os limites, as características e a distribuição geográfica dos diferentes tipos de uso do solo e padrões de ocupação homogêneos, além de outros produtos derivados.

Estes produtos resultam de uma parceria técnica entre o IG – Instituto Geológico e a CPLA – Coordenadoria Estadual de Planejamento Ambiental, da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, com apoio técnico da FUNCATE – Fundação de Ciência, Aplicações e Tecnologia Espaciais , realizado através de contratação de serviços, financiados pelo FEHIDRO – Fundo Estadual de Recursos Hídricos , por meio do projeto “Delimitação de sub-bacias, estruturação de base de dados do meio físico e delimitação de unidades homogêneas do uso e ocupação do solo urbano” (Contrato Nº 169/2011).

Informações detalhadas sobre o sistema UHCT e dos produtos derivados podem ser obtidas na Ficha Técnica que acompanha o produto, onde são descritos todos os procedimentos metodológicos. Nos links abaixo são disponibilizados o Sistema UHCT no formato shapefile, aberto e editável, bem como os produtos derivados: Mapa de Cobertura da Terra e do Uso do Solo Urbano; e Mapa da Vulnerabilidade de Áreas Urbanas de Uso “Residencial/comercial/serviço” a Eventos Geodinâmicos do Estado de São Paulo, em formato pdf de alta resolução. Clique com o botão direito do mouse e selecione a opção “Salvar link como…”.