quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Proposta do Geoparque Ciclo do Ouro (GCO) de Guarulhos é apresentada em evento na cidade


Mapa com amostras de rochas das principais unidades geológicas do GCO
GT entrega um exemplar do livro ao Secretário do Meio Ambiente
Capa do livro GEOPARQUES DO BRASIL-PROPOSTAS e o capítulo do GCO
   

No dia 13 de dezembro de 2012 a pesquisadora do Instituto Geológico (IG) Annabel Perez-Aguilar participou da apresentação do capítulo do livro Geoparque Ciclo do Ouro, Guarulhos, SP (GCO) realizada no Hotel Bristol de Guarulhos. Este capítulo faz parte do livro GEOPARQUES DO BRASIL-PROPOSTAS, lançado em outubro pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) durante o 46° Congresso Brasileiro de Geologia. A apresentação foi realizada pelos diversos autores deste capítulo: a pesquisadora apresentou a caracterização e contextualização geológica, assim como aspetos dos diferentes geossítos da proposta; o geólogo Edson José de Barros apresentou contextualização do Geoparque associado às diferentes unidades de conservação que abrange; o geólogo e professor Márcio Roberto Magalhães de Andrade apresentou uma síntese histórica da evolução dos trabalhos de pesquisa no contexto do Geoparque; o historiador Elton Soares de Oliveira apresentou aspectos históricos da ocupação negra no município de Guarulhos.

                                Assista ao vídeo apresentado durante o evento
 
Com 17 capítulos o livro contempla propostas de todo Brasil. O capítulo do GCO coroa os trabalhos desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho (GT) encarregado de implantar este Geoparque. Neste GT participam, além do Instituto Geológico, órgãos da Prefeitura de Guarulhos, Universidades, Entidades Religiosas, Proprietários e Organizações não Governamentais. Neste capítulo são descritos aspectos geológicos, geomorfológicos, arqueológicos, históricos e culturais associados à lavra de ouro na região de Guarulhos durante o período colonial. O GCO está conformado por geossítios de especial importância científica, raridade e beleza geológica, assim como didáticos. No seu escopo estão também associados sítios de valor cultural, histórico, arqueológico e ecológico, associados à gênese e exploração de ouro, a partir do século XVI. 
Durante o evento foi exposto um painel mostrando a geologia do GCO associado a amostras de rochas das principais unidades geológicas do mesmo, assim como foram exibidos diversos painéis sobre as áreas de proteção e diversos trabalhos científicos publicados na área de abrangência da proposta. Durante o evento foi divulgado a disponibilidade de orçamento junto à Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Guarulhos para a implantação de três geossítios do GCO durante o transcurso de 2013 associados a ações de educação e turismo. Também foi feita a entrega de um exemplar do livro ao Secretário do Meio Ambiente de Guarulhos, Dr. Marco Aurélio Cardoso Carvalho.
Para fazer o download do livro cliquaqui

 

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Instituto Geológico e Coordenadoria Estadual de Defesa Civil realizam seminário sobre redução de riscos e desastres


Auditório lotado com o público presente 
 Composição da mesa com as autoridades presentes
 Rubens Rizek Júnior assinando o termo de cooperação
 Entrega de relatório ao representante de Taubaté pelo Major PM Nyakas
Entrega de relatório ao representante de Redenção da Serra pelo Ricardo Vedovello
 
A Secretaria do Meio Ambiente, por meio do Instituto Geológico (IG) e a Casa Militar, por meio da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (CEDEC) realizaram nos dias 05 e 06 de dezembro de 2012 o IV Seminário “Estratégias para Redução de Riscos e Desastres a Eventos Geodinâmicos no Estado de São Paulo”. 
Participaram da cerimônia de abertura Rubens Rizek Junior, secretário adjunto do Meio Ambiente, ten. Cel. PM Airton Iosimo Martinez , secretário chefe da Casa Militar em exercício e coordenador estadual de Defesa Civil, Marcos Penido, secretário adjunto da Habitação, Ricardo Vedovello, diretor geral do Instituto Geológico (IG), major PM Walter Nyakas Junior , diretor estadual de Defesa Civil, José Antonio Zem, diretor Presidente da Minerais do Paraná S/A (Mineropar) e Flavio Erthal, diretor presidente do Departamento de Recursos Minerais (DRM) do Estado do Rio de Janeiro. 
Durante o evento a secretaria do Meio Ambiente e a Casa Militar assinaram o termo de cooperação para apoio técnico relativo a situações de risco geológico-geotécnico e avaliação de risco. A secretaria do Meio Ambiente também assinou junto com a secretaria de Habitação outro termo de cooperação, para assessoria técnica e treinamento para avaliação de riscos dentro do programa estadual de habitação.
Na ocasião os governos de São Paulo, Rio de Janeiro e do Paraná firmaram um protocolo de intenções para ações articuladas na prevenção e enfrentamento de desastres naturais, na elaboração conjunta de metodologias e pesquisas científicas e na padronização de termos de referência para contratação de serviços. A cooperação foi firmada entre os órgãos de Geologia estaduais: Instituto Geológico de São Paulo, Departamento de Recursos Minerais do Rio de Janeiro e Mineropar do Paraná.  
Na solenidade houve a entrega dos relatórios dos mapeamentos de risco elaborados pelo Instituto Geológico aos municípios de Taubaté e Redenção da Serra. 
 Com o objetivo de avaliar as estratégias em curso e delinear atuações futuras para enfrentar o desafio da redução dos riscos e desastres relacionados a eventos naturais, os temas abordados durante o evento foram: mudanças climáticas, zoneamento ecológico-econômico e a gestão de riscos, o sistema integrado de Defesa Civil do Estado de São Paulo, programas habitacionais e redução e prevenção do risco, perspectivas da gestão municipal para redução de risco a desastres, a importância de gerenciar riscos e não desastres, atuação do Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais na Redução de Riscos Geológicos, a relação entre os mapeamentos de risco e integração com sistemas de alerta no Estado do Rio de Janeiro, diagnostico do risco associado a eventos geodinâmicos no Estado do Paraná, Indução de Mercado para a Gestão de Risco a Desastres: demandas frente aos novos arcabouços legais e fontes de financiamento e requisitos técnicos.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

O Instituto Geológico apoia curso de educação ambiental na prevenção de desastres naturais em Ubatuba

 Rogério apresentando os conceitos de riscos ambientais
Rogério explicando sobre a atividade de campo

Entre os dias 21 e 23 de novembro o Instituto Geológico (IG) participou do curso “Aprendendo e dialogando sobre o risco ambiental e sua cartografia na área de influência da bacia hidrográfica do rio Indaiá”, no município de Ubatuba. O IG deu apoio à geógrafa Débora Olivato, Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia Física da Universidade de São Paulo e coordenadora geral do evento.

O curso teve por objetivo apresentar noções básicas dos processos geoambientais de inundação, erosão costeira, escorregamento e de mapeamento de áreas de risco para as comunidades moradoras da bacia hidrográfica do Rio Indaiá – Capim Melado (Perequê-Açu, Barra Seca, Casanga, Taquaral, Sumidouro/Jardim Ubatuba 1 e 2 e Vila Indaiá).
A atividade foi composta por aulas teóricas e atividade de campo, onde os participantes tiveram a oportunidade de simular um mapeamento da área de risco a inundação no bairro da Barra Seca.

O evento teve a participação da COMDEC (Coordenadoria Municipal de Defesa Civil) de Ubatuba, representada pelo Sr. Delmo Braga, e da equipe do IG, composta pelo Pesquisador Rogério Rodrigues Ribeiro e Técnicos de Apoio à Pesquisa Rafael Galdino S. Nunes e Hernandis Magalhães.

Instituto Geológico promove oficina sobre riscos em Ubatuba

 Rogério explicando sobre cartografia de risco
 Rogério explicando sobre a atividade de campo
Eduardo explicando sobre a atividade de campo

Nos dias 7 e 8 de novembro de 2012 o Instituto Geológico (IG) realizou a 2ª Oficina “Avaliação e Mapeamento de Áreas de Riscos”. Realizada no município de Ubatuba, foi ministrada pelos pesquisadores Lídia KeikoTominaga, Rogério Rodrigues Ribeiro e pelo Especialista Ambiental Eduardo de Andrade. É a segunda experiência do gênero, sendo que a primeira aconteceu em Guaratinguetá em agosto deste ano. O objetivo das oficinas é transmitir noções de riscos geológicos, percepção de perigo e métodos mapeamento de áreas de risco sujeitas a deslizamentos e inundações.

A oficina reuniu cerca de 20 pessoas entre agentes municipais de Defesa Civil, técnicos da prefeitura, guarda-vidas e professores do ensino público estadual e municipal. A programação do primeiro dia constou de fundamentos teóricos que teve como foco os conceitos de desastres, deslizamentos, inundações e definições de perigo e risco. Também abordou o Plano Preventivo de Defesa Civil (PPDC), o Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução de Riscos Geológicos (PDN) e a Lei 12.608 de 10/04/2012 que institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDEC).

Os exercícios práticos em campo foram realizados nos bairros Sertão do Perequê Mirim e no Estufa I, no núcleo Botafogo. Os participantes procuraram delimitar as áreas de risco aplicando o conteúdo metodológico em locais sujeitos aos deslizamentos e às inundações, já conhecidos e definidos no relatório de estudos de avaliação e mapeamento de risco, elaborados pelo Instituto Geológico no município em 2005.

Com o uso de cartas topográficas, imagens de satélite, fotos aéreas e ficha de vistoria de campo, a oficina procurou capacitar os participantes na percepção do risco geológico, demonstrando os procedimentos metodológicos envolvidos na tarefa de identificação e mapeamento de situação de risco. Espera-se, assim, que os envolvidos possam aplicar na atualização contínua do banco de dados de risco municipal.

Pesquisador do Instituto Geológico participa do Fórum Understanding Risk Brasil 2012


No período de 12 a 14 de novembro de 2012 o pesquisador científico, Paulo Cesar Fernandes da Silva participou do Fórum Understanding Risk Brasil 2012 (URBR Entendendo Risco). O evento aconteceu na cidade de Belo Horizonte - MG e foi promovido pela Secretaria Nacional de Defesa Civil, do Ministério da Integração Nacional, em parceria com o Banco Mundial, na cidade de Belo Horizonte - MG.

Dentro da seção temática: Movimento de massa X Desenvolvimento territorial, do dia 13, o pesquisador proferiu palestra sobre o tema “Gestão de risco a eventos naturais no Setor de Transportes”, onde explicou como funcionará a parceria entre o Governo do Estado de São Paulo e o Banco Mundial para o monitoramento e mitigação dos riscos geológicos nas rodovias paulistas. Na oportunidade apresentou ainda o Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e de Redução de Riscos (PDN).
 

O Fórum teve o intuito de estabelecer e fundamentar linguagem, conceituação e metodologias padrão em Gestão de Riscos de Desastres; transferir e incorporar conhecimento internacional nas práticas brasileiras e integrar as comunidades práticas e técnico-científicas. O evento reuniu especialistas internacionais e nacionais, administradores públicos e tomadores de decisão na incorporação de informações técnicas em políticas públicas, estratégias, programas e planos nacionais estaduais e municipais que atuam no campo da gestão de riscos e desastres no Brasil.

 

terça-feira, 13 de novembro de 2012

IV Seminário Estratégias para a Redução de Riscos e Desastres a Eventos Geodinâmicos no Estado de São Paulo


Inscrições para o IV Seminário Estratégias para a Redução de Riscos e Desastres a Eventos Geodinâmicos no Estado de São Paulo

A Secretaria do Meio Ambiente 
e a Casa Militar 
por meio do Instituto Geológico 
e da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil 
convidam para

IV Seminário Estratégias para a Redução de Riscos e Desastres a Eventos Geodinâmicos no Estado de São Paulo 

a ser realizado nos dias 05 e 06 de dezembro de 2012 

no Anfiteatro Augusto Ruschi, localizado na Avenida Professor Frederico Hermann Júnior, 345, Altos de Pinheiros - São Paulo - SP

INSCRIÇÕES ENCERRADAS 

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Conselho Estadual de Monumentos Geológicos realiza sua 8ª reunião


Secretário do Meio Ambiente, Bruno Covas, e Ricardo Vedovello,  
Diretor Geral do Instituto Geológico
 
Conselheiros discutem as próximas etapas de trabalho
 
No dia 31 de outubro de 2012, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SMA), por meio do Instituto Geológico (IG), realizou a oitava reunião ordinária do Conselho Estadual de Monumentos Geológicos (CoMGeo-SP), que ocorreu no auditório do Conselho Estadual de Meio Ambiente (CONSEMA). A reunião foi presidida pelo Secretário do Meio Ambiente, Bruno Covas, e coordenada pelo Diretor Geral do Instituto Geológico, Ricardo Vedovello.

O geólogo Felipe Barbi Chaves, Chefe da Divisão de Proteção de Depósitos Fossilíferos do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), apresentou um panorama das atividades do órgão para a conservação e preservação dos sítios paleontológicos no Brasil, em especial no Estado de São Paulo.

Complementando as informações, o Pesquisador Científico Rogério Rodrigues Ribeiro, Diretor do Núcleo de Monumentos Geológicos do IG, apresentou a situação atual de alguns geossítios paulistas e dos seis geossítios que foram reconhecidos como Monumentos Geológicos do Estado de São Paulo e que estão inseridos no Inventário Paulista de Monumentos Geológicos. São eles: Geiseritos de Anhembi, no município de Anhembi; Carste e Cavernas do Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR), no Vale do Ribeira; Varvito de Itu, em Itu; Rocha Moutonnée de Salto, em Salto; Cratera de Colônia, em São Paulo; e a Pedra do Baú, em São Bento do Sapucaí.

Com o objetivo de contribuir para a gestão do Patrimônio Geológico Paulista, a Conselheira Maria da Glória Motta Garcia apresentou o projeto “Inventário do Patrimônio Geológico Paulista”, a ser desenvolvido junto ao Núcleo de Apoio à Pesquisa em Patrimônio Geológico e Geoturismo (GeoHereditas), do Instituto de Geociências da USP.

Entre os principais encaminhamentos definidos nesta 8º reunião estiveram a criação de grupos compostos pelos próprios Conselheiros para estudos dos seguintes temas: espeleologia e legislação pertinente, instrumentos para a conservação de geossítios, implantação do Geoparque Vale do Ribeira e elaboração de material de divulgação dos monumentos geológicos paulistas.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

O Curso “Proteção das Águas Subterrâneas no Estado de São Paulo” será realizado em Campinas


 O Curso “Proteção das Águas Subterrâneas no Estado de São Paulo”, organizado pela CETESB e pelo Instituto Geológico (IG) será realizado em Campinas nos dias 26 e 27 de novembro de 2012.

O objetivo do curso é disseminar a importância dos perímetros de alerta de poços de abastecimento para proteger a qualidade da água captada, vulnerabilidade à poluição e instrumentos legais de proteção de aquíferos.

O curso é voltado para profissionais que atuam na área pública (municipal, estadual e federal), em concessionárias de água e nos comitês de bacias.

Local de realização: Instituto de Geociências - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Rua João Pandiá Calógeras, 51 - dia 26, sala EB 02 e no dia 27, sala EB 03. Campinas/ SP

Data: 26 a 27 de Novembro de 2012
Horário: 9h00 às 18h00
Carga horária: 16 horas
Número de vagas: 80

Programa:

Dia 26/11/2012 - sala EB 02

Aula 1 - Características gerais das águas subterrâneas no Estado de São Paulo
Amélia João Fernandes – Instituto Geológico IG/SMA

Aula 2 - Vulnerabilidade e perímetros de proteção de poços
Amélia João Fernandes – Instituto Geológico IG/SMA 

Dia 27/11/2012 - sala EB 03

 Aula 3 - Fontes de Poluição e padrões de qualidade dos solos e águas subterrâneas
Mara Magalhães Gaeta Lemos - CETESB

Aula 4 - Uso do solo e competência municipal
Coordenadoria de Planejamento Ambiental - SMA

Inscrições até 14/11, por e-mail a treinamento@cetesbnet.sp.gov.br contendo:
nome, entidade, endereço, e-mail e telefone do participante.

Outras informações: CETESB -Setor de Desenvolvimento e Pesquisa - ETGD, 
pelo telefone: (11) 3133-3606 ou (11) 3133-3658

Realização no âmbito do Projeto Aquíferos:

Governo do Estado de São Paulo
Secretaria de Estado do Meio Ambiente - SMA
Instituto Geológico - IG
Companhia Ambiental do Estado de São Paulo - CETESB

Apoio:

Instituto de Geociências - UNICAMP

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Geólogos do Instituto Geológico oferecem treinamento no Litoral Norte para a operacionalização do Plano Preventivo de Defesa Civil e Operação Verão 2012/2013


 Dr. Jair Santoro palestrando aos agentes e técnicos
 Dr. Jair Santoro no exercício prático em campo
 Simulação de chuva para leitura de pluviômetro
Dr. jair Santoro demostrando como fazer a leitura de pluviômetro
Confraternização dos participantes após o treinamento

No dia 30 de outubro de 2012, os municípios de Caraguatatuba, São Sebastião, Ilhabela e Ubatuba receberam o treinamento para operacionalização do Plano Preventivo de Defesa Civil (PPDC) e Operação Verão 2012/2013.

Realizado em Caraguatatuba, o treinamento foi promovido pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil e teve o apoio técnico do Instituto Geológico, por meio dos geólogos Jair Santoro e Lídia Keiko Tominaga. Este treinamento reuniu cerca de 40 pessoas, entre agentes de Defesa Civil e técnicos das Prefeituras.

A fundamentação operacional do PPDC aconteceu no Auditório da Fundação Educacional e Cultural de Caraguatatuba (FUNDACC), onde o Geólogo Dr. Jair Santoro, do Instituto Geológico (IG), dissertou sobre definições e tipos de escorregamentos, reconhecimento e tipos de feições de instabilidade e instruções para o preenchimento da ficha de vistoria técnica.  

A meteorologista Marina Vicente Vieira, da empresa Somar Meteorologia, abordou temas como previsões meteorológicas, tipos de chuvas, boletins meteorológicos, leitura de pluviômetro.  

O 1º Ten. PM Paulo Roberto Silva Baione, da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (CEDEC), falou sobre o funcionamento do Centro de Gerenciamento de Emergência da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, a Operação dos Planos Preventivos de Defesa Civil (PPDCs).  

O exercício prático do treinamento foi realizado no bairro do Jaraguazinho, em Caraguatatuba, e contemplou vistoria técnica e preenchimento de ficha de vistoria técnica. Também houve a simulação de leitura do pluviômetro, que foi realizada no 11º Grupamento do Corpo de Bombeiros.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Instituto Geológico e o Departamento de Geografia da USP realizaram Ciclo de Palestras Internacionais


 Prof. Dr. Domingos Rodrigues
Prof. Dr. Carlos Valdir de Meneses Bateira

O Instituto Geológico (IG) da Secretaria do Meio Ambiente (SMA) e o Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP) realizaram no mês de outubro de 2012 o Ciclo de Palestras Internacionais. As palestras ocorreram no auditório do IG e foram proferidas por especialistas portugueses.

No dia 10/10 o Palestrante Prof. Dr. Domingos Rodrigues da Universidade da Madeira (Portugal) proferiu a palestra “Desastres Naturais em Ambientes Insulares: exemplo da Madeira e do Timor Leste”, que discutiu o elevado grau de vulnerabilidade e exposição dos ambientes insulares em relação aos desastres naturais, pois a maioria está localizada em zonas de atividade vulcânica, atividade sísmica, em zonas de ciclones tropicais, ou podem ser afetadas pela subida no nível médio das águas do oceano.


No dia 17/10 o Palestrante Prof. Dr. Carlos Valdir de Meneses Bateira da Universidade do Porto (Portugal) proferiu a palestra “Movimentos de Massa: avaliação por métodos estatísticos”, que apresentou o uso de ferramentas dentro de sistemas de Gerenciamento de Informações Espaciais capazes de interpretarem os dados introduzidos e gerar mapas de suscetibilidade a escorregamentos.


O Ciclo de Palestras Internacionais foi realizado no âmbito dos projetos: “Aplicação de geotecnologias na orientação do uso da terra com base nos impactos das mudanças climáticas globais: sub-bacias hidrográficas litorâneas do estado de São Paulo e do estado do Rio de Janeiro”, financiada pelas Fundações de Amparo a Pesquisa de São Paulo (FAPESP) e do Rio de Janeiro (FAPERJ) e “Processos morfodinâmicos em ambiente tropical úmido: avaliação, modelagem e previsão”, financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
.