quarta-feira, 29 de maio de 2013

Reunião do Conselho Estadual de Monumentos Geológicos discute a preservação de sítios geológicos

 Membros durante a 9º reunião do CoMGeo
Apresentações durante a 9º reunião do CoMGeo

No dia 15 de maio de 2013 foi realizada a 9ª reunião do CoMGeo-SP (Conselho Estadual de Monumentos Geológicos) na sala do CONSEMA, na sede da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SMA). Presidida pelo Diretor Geral do Instituto Geológico, Ricardo Vedovello, a reunião teve como foco principal o desenvolvimento de estratégias de preservação de alguns geossítios paulistas.

A pesquisadora Rosangela do Amaral, do Instituto Geológico (IG), apresentou a candidatura do geossítio Morro do Diabo, localizado no Parque Estadual do Morro do Diabo, município de Teodoro Sampaio. A proposta tem como autores, além da expositora, o geólogo Luiz Alberto Fernandes, professor da Universidade Federal do Paraná, o geógrafo Rogério Rodrigues Ribeiro e o engenheiro florestal Helder de Faria, pesquisador do Instituto Florestal. Após elaboração de descrição detalhada do geossítio, o Morro do Diabo poderá ser elevado à categoria de Monumento Geológico do estado de São Paulo, tendo em vista suas características geológicas e geomorfológicas únicas.

A paleontóloga do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), Irma Tie Yamamoto, apresentou diagnóstico do geossítio Icnofósseis da Usina Porto Primavera. A paleontóloga fez algumas recomendações para preservação das pegadas, incluindo sugestão de remoção de parte do material para o Museu de Memória Regional da CESP.

Outro local que precisa de preservação, as Estruturas da Lavra de Ouro da região de Guarulhos, foi apresentado pela geóloga Annabel Pérez-Aguilar, representante do Grupo de Trabalho do Geoparque Ciclo do Ouro. Tais estruturas encontram-se ameaçadas pela construção de vias de transportes e pela pressão urbana na região. O Conselho discutiu possibilidades para a preservação das estruturas.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Agência Nacional de Águas premia Projeto do PIBIC-EM realizado no Instituto Geológico

 Troféu recebido como prêmio de participação
  Pesquisador Hélio e os bolsistas Kleber e Thainan em Campo
 Pesquisador Hélio e os bolsistas Kleber e Thainan em Campo

O projeto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - Ensino Médio (PIBIC-EM) “Educação ambiental e prática de iniciação científica em área de mineração do rio Paraíba do Sul em Tremembé Estado de São Paulo”, recebeu da Agência Nacional de Águas (ANA) um troféu de participação durante o Prêmio Nacional ANA 2012. 

A Premiação reconhece iniciativas que se destacam pela excelência de sua contribuição para a gestão e o uso sustentável dos recursos hídricos, promovendo o combate à poluição e ao desperdício. Os trabalhos inscritos também apontam caminhos para assegurar água de boa qualidade e em quantidade suficiente para o desenvolvimento e a qualidade de vida das atuais e futuras gerações. 

O trabalho de pesquisa e estudo científico que participou da premiação envolveu os alunos, Kleber Lucas de Carvalho e Thainan Gabriel Soares Rodriguese, e foi supervisionado pelo pesquisador do Instituto Geológico Dr. Hélio Nobile Diniz, e pela professora Msc. Lucia Helena Ramos Martins, da E.E. Monteiro Lobato da Diretoria de Ensino da Região de Taubaté. 

O PIBIC-EM é um programa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) dirigido aos estudantes do ensino médio e profissional com a finalidade de contribuir para a formação de cidadãos plenos, conscientes e participativos; de despertar vocação científica e de incentivar talentos potenciais, mediante sua participação em atividades de educação científica e/ou tecnológica, orientadas por pesquisador qualificado de instituições de ensino superior ou institutos de pesquisas ou institutos tecnológicos.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Pesquisadores do Instituto Geológico apresentaram resultados do Projeto ARCTUB em Reunião Técnica no SAAE de Indaiatuba (SP)


Apresentação da Sibele Ezaki
 Apresentação do Geraldo Hideo Oda
 Apresentação da Mara Akie Iritani
Sibele, Fábio, Moretti, Geraldo Garcia, Francisco, Mara e Geraldo

Pesquisadores do Instituto Geológico – Geraldo Hideo Oda, Mara Akie Iritani e Sibele Ezaki –, apresentaram os resultados do projeto “Identificação de Áreas Potenciais de Restrição e Controle de Captação e Uso das Águas Subterrâneas na porção sul da UGRHI 05 – Projeto ARCTUB1”, em reunião técnica realizada no dia 07/05/2013, no SAAE de Indaiatuba (SP). O projeto foi coordenado pelo geólogo Geraldo H. Oda, financiado pelo FEHIDRO (Contrato FEHIDRO 450/2006) e teve como principal objetivo identificar Áreas Potenciais de Restrição e Controle (ARC-PO) nos municípios de Capivari, Elias Fausto, Indaiatuba, Monte Mor, Rafard e Salto, conforme estabelece a Deliberação CRH nº 52, de 15 de abril de 2005.

Para tanto, foi realizado estudo hidrogeológico, baseado em cadastro de poços tubulares profundos, que consistiu na avaliação do uso da água subterrânea, da densidade de poços, da produtividade e da geometria dos aquíferos, na elaboração de mapa potenciométrico e mapa de produtividade similar. O estudo também envolveu levantamento e classificação das fontes potenciais de poluição, mapeamento do uso do solo e da expansão urbana, avaliação da qualidade da água, vulnerabilidade natural dos aquíferos à contaminação, e estabelecimento do perigo potencial de contaminação das águas.

A integração dos resultados permitiu a identificação de potenciais problemas: a) de rebaixamento do nível potenciométrico, b) de interferência de poços e, c) potencial perigo de contaminação da água subterrânea.

Foram delimitadas 10 Áreas Potenciais de Restrição e Controle (ARC-PO-1 a ARC-PO-10), sendo três em Capivari (por rebaixamento do nível estático e interferência de poços), 5 em Indaiatuba (devido interferência de poços e potencial contaminação das águas subterrâneas) e 2 em Salto (interferência de poços e potencial contaminação das águas subterrâneas).

Conforme estabelece a Deliberação CRH nº 52, propõe-se uma priorização para que sejam efetuados estudos futuros detalhados às áreas ARC-PO-1 e ARC-PO-7 (em Capivari) e as ARC-PO-8 a ARC-PO-10 (em Indaiatuba).

 Estiveram presentes representantes técnicos dos seis municípios, que atuam na área de recursos hídricos, representantes de órgãos gestores (CETESB, DAEE, Vigilância Sanitária) e de outras entidades (INEVAT, Consórcio Piraí). Esteve presente, também, o secretário executivo dos Comitês das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Junidaí, Luiz Roberto Moretti (SSRH) e o coordenador da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas dos Comitês PCJ, Vinícius Rosa Rodrigues (DAEE).

Para acessar o Relatório Executivo com o resumo do Projeto CLIQUE AQUI:

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Realizado em Bauru, o Seminário “Nitrato nas Águas Subterrâneas no Estado de São Paulo: Desafios frente ao Panorama Atual”

 Mesa de abertura do evento
Público presente
 Debates técnicos


No dia 25 de abril de 2013 foi realizado o Seminário “Nitrato nas Águas Subterrâneas no Estado de São Paulo: Desafios frente ao Panorama Atual”, no Teatro Veritas da Universidade Sagrado Coração (USC), Bauru (SP).

Com o intuito de buscar a prevenção da contaminação por nitrato em aquíferos, bem como a mitigação de contaminações já existentes, este evento propôs discutir a melhor forma de gerenciar esse problema, analisando os casos paulistas de contaminação.

Foram proferidas palestras que abordaram temas como o panorama das concentrações de nitrato nos aquíferos do Estado de São Paulo, a ocorrência deste contaminante no Sistema Aquífero Bauru (áreas urbanas e rurais), os efeitos do nitrato na saúde humana, bem como a atuação do poder público e estratégias de prevenção e mitigação do problema.

O seminário foi uma realização da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do Conselho Estadual de Recursos Hídricos e organizado pelo Instituto Geológico, Departamento de Águas e Energia Elétrica, Instituto de Pesquisas Tecnológicas, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo, Centro de Pesquisas de Águas Subterrâneas, Centro de Vigilância Sanitária e os Comitês das Bacias do Pontal do Paranapanema e do Aguapeí-Peixe.

Participaram do evento cerca de 250 pessoas, compostas por pesquisadores de institutos de pesquisa e de universidades, técnicos de órgãos gestores de recursos hídricos e meio ambiente, companhias de saneamento, empresas de consultoria e de comitês de bacias hidrográficas.

Ao final, foi elaborada a Carta de Bauru, com o objetivo de alertar as autoridades e colegiados do Sistema de Gerenciamento de Recursos Hídricos sobre este problema, além propor as principais recomendações para sua solução.

Os arquivos PDF das palestras estão disponíveis para download, no link “DOCUMENTOS” da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do CRH, no site do SIGRH. As perguntas foram encaminhadas aos palestrantes e, em breve, também serão disponibilizadas aos participantes.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Pesquisadores apresentaram resultados do Projeto ARCTUB (financiado pelo FEHIDRO) na 30ª Reunião da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do Comitê PCJ


Mapa da área de estudo. Autor: Geraldo Hideo Oda

Pesquisadores do Núcleo de Hidrogeologia do Instituto Geológico apresentaram os resultados do projeto “Identificação de Áreas Potenciais de Restrição e Controle de Captação e Uso das Águas Subterrâneas na porção sul da UGRHI 05 - Projeto ARCTUB1”, durante a 30ª Reunião Ordinária da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do Comitê da Bacia Hidrográfica dos Rios Piracicaba e Jaguari (CBH/PCJ), realizada no dia 18/04/2013, em Piracicaba. 

O projeto foi coordenado pelo Geólogo Geraldo Hideo Oda e financiado pelo Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Contrato FEHIDRO 450/2006), tendo sido finalizado em 2012.

O objetivo foi identificar Áreas Potenciais de Restrição e Controle (ARC-PO) nos municípios de Capivari, Elias Fausto, Indaiatuba, Monte Mor, Rafard e Salto, conforme estabelece a Deliberação CRH nº 52, de 15 de abril de 2005. Para tanto, foi realizado estudo hidrogeológico, baseado em cadastro de poços tubulares profundos, que consistiu na avaliação do uso da água subterrânea, da densidade de poços, da produtividade e da geometria dos aquíferos, na elaboração de mapa potenciométrico e mapa de produtividade similar. O estudo também envolveu levantamento e classificação das fontes potenciais de poluição, mapeamento do uso do solo, avaliação da qualidade da água, vulnerabilidade natural dos aquíferos à contaminação, e estabelecimento do perigo potencial de contaminação das águas.

 A integração dos resultados permitiu a identificação de potenciais problemas: a) de rebaixamento do nível potenciométrico, b) de interferência de poços e, c) potencial perigo de contaminação da água subterrânea.

 Foram delimitadas 10 Áreas Potenciais de Restrição e Controle (ARC-PO-1 a ARC-PO-10), sendo três em Capivari (por rebaixamento do nível estático e interferência de poços), 5 em Indaiatuba (devido interferência de poços e potencial contaminação das águas subterrâneas) e 2 em Salto (interferência de poços e potencial contaminação das águas subterrâneas).

Conforme estabelece a Deliberação CRH nº 52, propõe-se uma priorização para que sejam efetuados estudos futuros detalhados às áreas ARC-PO-1 e ARC-PO-7 (em Capivari) e as ARC-PO-8 a ARC-PO-10 (em Indaiatuba).

Para acessar o Relatório Executivo com o resumo do Projeto CLIQUE AQUI.