sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Inscrições abertas para o V Seminário Estratégias para Redução Riscos e Desastres a Eventos Geodinâmicos no Estado de São Paulo


O Instituto Geológico organiza em conjunto com a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil e com o apoio do Banco Mundial, o V Seminário Estratégias para Redução Riscos e Desastres a Eventos Geodinâmicos no Estado de São Paulo, para comemorar 127 anos de sua atuação geológica no Estado de São Paulo, 38 anos de existência e 25 anos de atuação sistemática na área de desastres naturais, iniciada com o plano de prevenção para escorregamentos nas encostas da Serra do Mar em 1988.

O V Seminário Estratégias para Redução Riscos e Desastres a Eventos Geodinâmicos no Estado de São Paulo abordará a importância das políticas de integração e articulação institucional, experiências nacionais e internacionais na análise de risco a eventos geodinâmicos, instrumentos técnicos e políticos da gestão de risco, situação de indicadores de desastres no Estado de São Paulo e a relação entre desastres de origem tecnológica e eventos geodinâmicos. Apesar do Brasil se situar em região geologicamente estável, o aumento do número de eventos relacionados a escorregamentos, erosões e chuvas, e a ocupação territorial de áreas instáveis, exigem que se discutam as causas e estratégias para a redução dos desastres naturais, desenvolvendo conhecimentos científicos e ferramentas tecnológicas com essa finalidade.

Durante o evento será assinado o Termo de Cooperação entre a Secretaria do Meio Ambiente, por meio do Instituto Geológico e a Casa Militar, por meio da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, para apoio técnico, assessoria e atendimento emergencial relativo a avaliação de riscos geológico-geotécnicos. Também haverá o lançamento da publicação Coleção Geonatural n. 02 “Você sabe o que é relâmpago?”.

O Seminário Estratégias para Redução Riscos e Desastres a Eventos Geodinâmicos no Estado de São Paulo, realizado anualmente é um evento aberto à toda comunidade, em especial volata-se a servidores públicos municipais e estaduais da área de gestão de risco e desastres, comunidade acadêmica e ativistas do tema.

PROGRAMAÇÃO

INSCRIÇÃO.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Instituto Geológico participa do V Simpósio de Restauração Ecológica


 Estande de divulgação científica
  Público participante do evento 

O Instituto Geológico (IG) participou com estande de divulgação durante o “V Simpósio de Restauração Ecológica: Políticas públicas para a conservação da biodiversidade" que ocorreu entre os dias 04 e 08 de novembro de 2013, no Instituto de Botânica, localizado na Av. Miguel Stéfano, 3687 - Água Funda - SP.

O Simpósio teve como objetivo oferecer subsídios para a discussão, análise, execução de estudos, projetos e ações relacionadas à restauração ecológica, fundamentados em conceitos desenvolvidos pela comunidade científica e em experiências práticas do setor privado. O evento abordou temas relacionados ao cenário atual das pesquisas científicas, políticas públicas, legislação ambiental, evolução dos processos históricos e legais envolvendo restauração e impactos das alterações do código florestal e das mudanças climáticas na restauração ecológica. O encontro discutiu os desafios atuais e futuros como avaliação e monitoramento de áreas restauradas ou em processo de restauração, perspectivas da ecologia da paisagem na restauração e ainda o diferencial exigido para a restauração de áreas mineradas.

No último dia do evento o pesquisador do IG Cláudio José Ferreira participou da 5° mesa de discussão temática com o tema: "Restauração Ecológica em Condições sob Diferentes Agentes de Degradação e a Importância da Fauna na Restauração Ecológica", apresentando os resultados de sua pesquisa "Quantificação da Degradação e Risco em Áreas Mineradas do Litoral Norte - SP". Onde definiu quatro indicadores da degradação ambiental devido à extração mineral de saibro e secundariamente rocha ornamental (processos erosivos, irregularidade do terreno, solo exposto e cobertura vegetal) e sua quantificação, obtendo-se um índice numérico de degradação.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Conselho Estadual de Monumentos Geológicos declara o Morro do Diabo como o 7º Monumento Geológico Paulista

 Aprovação do Morro do Diabo como o 7º Monumento Geológico Paulista
Entrega de certificados de Monumento Geológico ao município de Teodoro Sampaio
Ricardo Vedovello, Natália Poiani Henriques e o prefeito Ailton Cesar Herling

No dia 13 de novembro de 2013, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SMA), por meio do Instituto Geológico (IG), realizou a décima reunião ordinária do Conselho Estadual de Monumentos Geológicos (CoMGeo-SP), que ocorreu no auditório do Conselho Estadual de Meio Ambiente (CONSEMA). A reunião foi presidida pelo Diretor Geral do Instituto Geológico, Ricardo Vedovello. 

A proposta de candidatura foi apresentada em maio de 2013, na 09ª reunião do CoMGeo-SP, e aprovada nesta última reunião, por meio da apresentação de trabalho completo sobre o Morro do Diabo. Os autores proponentes foram o geólogo Luiz Alberto Fernandes, professor da Universidade Federal do Paraná, os geógrafos Rosangela do Amaral e Rogério Rodrigues Ribeiro, ambos do IG, e o engenheiro florestal Helder de Faria, do Instituto Florestal. 

Na oportunidade, a gestora do Parque Estadual do Morro do Diabo (PEMD), Natália Poiani Henriques, apresentou o histórico, a importância e a situação atual do PEMD, localizado no município de Teodoro Sampaio (SP). Ressaltou que o atrativo geológico (Geodiversidade) complementará a rica biodiversidade já existente. 

Após a votação e aprovação do Morro do Diabo como o 7º Monumento Geológico Paulista, o Dr Ricardo Vedovello entregou certificados de reconhecimento da existência do Monumento Geológico ao município de Teodoro Sampaio (representado pelo prefeito Ailton Cesar Herling), e ao PEMD (representado pela gestora da UC). O Morro do Diabo agora integra o Inventário Paulista de Monumentos Geológicos juntamente com Geiseritos de Anhembi, no município de Anhembi; Carste e Cavernas do Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR), no Vale do Ribeira; Varvito de Itu, em Itu; Rocha Moutonnée de Salto, em Salto; Cratera de Colônia, em São Paulo e a Pedra do Baú, em São Bento do Sapucaí. 

Na sequência da pauta da 10ª reunião, a Srtas. Caroline Vigo Cogueto e Mariana Romano, da Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais da Secretaria do Meio Ambiente (CBRN/SMA), apresentaram o "Cadastro Ambiental Rural - CAR”. Trata-se de um cadastro eletrônico, obrigatório a todas as propriedades e posses rurais paulistas, e que conterá informações declaratórias e de responsabilidade do proprietário ou possuidor rural. O CAR poderá ser um importante instrumento para a geoconservação dos geossítios e monumentos paulistas, uma vez que auxiliará na identificação do domínio dos imóveis onde ocorra a existência de um determinado patrimônio natural geológico.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Pesquisador do Instituto Geológico realiza palestra em Portugal

 Equipamentos de monitoramento em Campos do Jordão
Placa de identificação dos equipamentos de monitoramento

O pesquisador do Instituto Geológico (IG) Rodolfo Moreda Mendes, Diretor Técnico de Serviço do Laboratório de Análises Geológicas, ministrou a palestra intitulada “Monitoramento de variáveis climáticas e geotécnicas para implantação de Sistemas de Alerta para escorregamentos no Estado de São Paulo”, no Departamento de Engenharia Civil da Faculdade de Engenharia do Porto no dia 23 de outubro de 2013.

Durante a apresentação o pesquisador explicou que as variáveis climáticas e geotécnicas estão sendo monitoradas simultaneamente e em tempo real por meio da instalação de sensores de precipitação (chuva), teor de umidade e sucção do solo em três campos experimentais situados nos municípios de Campos do Jordão, São José dos Campos e Ubatuba. Além disso, demostrou que está estudando a influência dos fatores antrópicos nos escorregamentos induzidos em áreas urbanas a partir de análises de estabilidade de taludes que contemplem simulações com diferentes cenários observados em áreas de risco já mapeadas nos municípios onde estão implantados os campos experimentais. Por fim concluiu que os resultados do trabalho de pesquisa poderão fornecer subsídios para o aperfeiçoamento dos parâmetros técnicos atualmente utilizados nos Planos Preventivos de Defesa Civil (PPDC), no Estado de São Paulo, a partir da adoção de níveis críticos de alerta estabelecidos tanto por meio do monitoramento simultâneo de variáveis do meio físico natural quanto pela consideração de fatores antrópicos indutores de escorregamentos.

A viagem de um mês até Portugal, foi para a realização do estágio de pós-doutoramento do pesquisador no Laboratório de Geotecnia (LabGeo) do Departamento de Engenharia Civil da Faculdade de Engenharia do Porto, no âmbito do Projeto FAPESP (Processo nº 2011/22577-2) que está sendo desenvolvido no IG/SMA em parceria com outras Instituições de Pesquisa e Ensino.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Campos do Jordão recebe treinamento da equipe do Instituto Geológico para avaliação de áreas de risco

 
Participantes durante o trabalho de campo
Participantes durante o encerramento do trabalho de campo  

Equipe do IG ministrou, no período de 29/10 a 01/11/ 2013, treinamento no município de Campos do Jordão com o objetivo de capacitar a equipe municipal na percepção, reconhecimento e avaliação de áreas de risco.

A dinâmica do treinamento envolveu aulas teóricas, oficinas e exercícios práticos em campo em áreas de riscos, apoiando-se em estudos técnicos existentes, bem como em Mapeamento de áreas de risco em elaboração pelo IG para o município.

Com este treinamento a equipe municipal terá melhores condições de realizar a atualização constante da cartografia de risco e monitoramento de sua áreas problemáticas, possibilitando uma melhor operação de planos preventivos de defesa civil e planejamento da ocupação do seu território.

Ministraram o treinamento a geóloga Lídia Keiko Tominaga, o geógrafo Rogério Rodrigues Ribeiro e o tecnólogo Eduardo de Andrade.

Participaram do treinamento 30 alunos, de diversos órgãos da administração municipal (Defesa Civil Municipal, Meio Ambiente, Habitação, Educação, Planejamento, Saúde), além de Corpo de Bombeiros, ONG ALTUS, Associação de Bairro e técnicos da Prefeitura de Poá.

Esta ação está apoiada por Termo de Cooperação entre IG e CEDEC (Coordenadoria Estadual de Defesa Civil) e pelo Programa Estadual de Prevenção de Desastres Naturais e Redução e Riscos Geológicos.