quarta-feira, 30 de setembro de 2015

O Instituto Geológico participa da XLV SEGESP

 Aula teórica
 Aula prática
Publicações do Instituto Geológico


A 45ª Semana de Estudos Geológicos do Estado de São Paulo - XLV SEGESP está sendo realizada na cidade de Rio Claro entre os dias 28/9 a 2/10/2015, no Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho-IGCE/UNESP.


A XLV SEGESP foi organizada pelos alunos da Geologia da UNESP com apoio de diversas instituições. O Intituto Geológico (IG) esteve presente com divulgação e distribuição de publicações desenvolvidas pela instituição.

A Semana de Estudos Geológicos reuniu cerca de 200 participantes entre professores e estudantes de áreas afins com objetivo de transmitir e discutir conhecimentos para melhor desenvolvimento acadêmico proporciona através de palestras, minicursos e oficinas de diferentes temas, informações e assuntos diversificados dentro das Geociências.

O pesquisador Dr. William Sallun Filho, do Instituto Geológico, ministrou o minicurso intitulado “Introdução à Geologia do Carste” nos dias 28 e 29/9/2015. O minicurso abordou os diversos aspectos da Geologia do Curso e contou com cerca de 40 alunos graduandos em Geografia e Geologia.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Pesquisador do Instituto Geológico ministra palestra sobre Conservação da Geodiversidade durante o 2º Curso de Introdução ao Manejo de UCs

Foto: José D. Senhorinho

O pesquisador do Instituto Geológico (IG), Rogério Rodrigues Ribeiro, ministrou palestra sobre “Conservação da Geodiversidade” durante o primeiro módulo do 2º Curso de Introdução ao Manejo de Unidades de Conservação, realizado na sede do Instituto Florestal (IF) nos dias 24 a 28 de agosto de 2015.

O curso foi voltado a profissionais e estudantes com atuação em meio ambiente e ofereceu formação básica direcionada ao planejamento e manejo de Unidades de Conservação (UCs). Dentre os diversos assuntos abordados estão: A história da conservação em São Paulo e no Brasil, a evolução e consolidação das categorias de UC; o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC); a conservação da biodiversidade, geodiversidade e recursos hídricos; o uso de geotecnologias no planejamento e gestão de UCs; os planos de manejo e zoneamento; as Reservas Particulares do Patrimônio Natural; o pagamento por serviços ambientais e o licenciamento ambiental. Também foram realizadas atividades de campo pelo Parque Estadual Alberto Löfgren e dinâmicas de grupo.

Além do pesquisador do IG, o corpo docente foi composto por pesquisadores e técnicos do IF, da Fundação Florestal (FF) e da Companhia Ambiental do Estado e São Paulo (Cetesb). Ao todo, participaram 40 alunos. O segundo módulo será ministrado nos dias 28 de setembro a 02 de outubro de 2015.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Resultados de projeto financiado pelo FEHIDRO sobre delimitação de áreas de proteção de poços é apresentado pelo Instituto Geológico (IG) e Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) em reunião realizada em São José do Rio Preto

 Pesquisadora Mara Akie Iritani Foto: CBH-TG
Representantes municipais presentes Foto: CBH-TG


Os resultados do projeto “Delimitação de Áreas de Proteção de Poços de Abastecimento Público - Sistema Aquífero Bauru” foram apresentados por pesquisadores do Instituto Geológico (IG) e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) em uma reunião técnica realizada no dia 15 de setembro em São José do Rio Preto.
Para a realização da reunião contou-se com a grande colaboração do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Turvo e Grande (CBH-TG) e do DAEE, através da Diretoria de Bacia do Turvo/Grande, e ainda o apoio da Coordenadoria de Recursos Hídricos (CRHi).
Realizado com suporte financeiro do Fundo Estadual de Recursos Hídricos - FEHIDRO, o estudo abrangeu 120 municípios das UGRHIs 12 (Baixo Pardo/Grande), 15 (Turvo/Grande), 16 (Tietê/Batalha), 17 (Médio Paranapanema), 18 (São José dos Dourados), 19 (Baixo Tietê), 20 (Aguapeí), 21 (Peixe) e 22 (Pontal do Paranapanema), que utilizam o Sistema Aquífero Bauru para o abastecimento público.
Cada município foi objeto de diagnóstico das condições da proteção sanitária dos poços e a delimitação do Perímetro de Alerta, conforme estabelece o Decreto Estadual nº 32.955/91, com o levantamento das fontes potenciais de contaminação ao redor dos poços. A intenção é auxiliar os municípios, com população até 20 mil habitantes e que utilizam o Sistema Aquífero Bauru para o abastecimento, na implantação de medidas e ações para a proteção dos poços públicos.
Na reunião realizada em São José do Rio Preto participaram representantes de 61 municípios estudados, das UGRHIs 12 (Baixo Pardo/Grande), 15 (Turvo/Grande), 16 (Tietê/Batalha), 17 (Médio Paranapanema), 18 (São José dos Dourados) e 19 (Baixo Tietê), e técnicos de órgãos afins como DAEE, CETESB, Vigilância Sanitária e SABESP. Para os demais 59 municípios estudados, os resultados foram apresentados em reuniões realizadas no final de agosto em Presidente Prudente e Marília.
A versão digital do "Roteiro Orientativo para Delimitação de Áreas de Proteção de Poços" pode ser obtida AQUI

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Instituto Geológico participa de ações em comemoração ao Dia da Árvore

 Ricardo Vedovello regando a palmeira que plantou
Secretária Patrícia Iglecias com funcionários do IG 
Monitora e participantes de oficina no MUGEO



Em comemoração ao Dia da Árvore (21/09) a Secretaria do Meio Ambiente (SMA) promoveu a “Hora Verde” com o objetivo de estimular a reflexão sobre a necessidade da conservação e do aumento da cobertura vegetal em nosso estado para uma melhor qualidade de vida.

A Hora Verde teve início no domingo (20/09) no Instituto de Botânica (IBt), com o plantio de 50 mudas de palmeira-prateada (Lytocaryum hoehnei), realizada por voluntários e pela secretária do Meio Ambiente Patrícia Iglecias e pelo diretor do Instituto Geológico (IG) Ricardo Vedovello.

Além da Hora Verde, há ainda diversas atividades comemorativas, que serão realizadas pelos órgãos do Sistema Ambiental Paulista durante a semana. No Museu Geológico (MUGEO) foi realizada no dia 20/09 uma programação especial composta por uma exposição e diversas oficinas intitulada: "Cadê o verde que estava aqui?", com o objetivo de proporcionar contato do público com o acervo de fósseis do IG através do contato com plantas atuais e fossilizadas, os visitantes puderam observar os diferentes aspectos da flora, como a forma de reprodução e sua evolução tais como esporos, sementes, flores e frutos.

As oficinas monitoradas abordaram a temática das florestas permianas que existiram no interior de São Paulo, aproximadamente 230 milhões de anos atrás e sua existência pode ser provada pelos inúmeros fósseis preservados e encontrados em faixa de rochas sedimentares da Bacia do Paraná, na região de Rio Claro e Piracicaba.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Instituto Geológico (IG) e Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) apresentam os resultados de projeto financiado pelo FEHIDRO sobre delimitação de áreas de proteção de poços

 
Marília
presidente Prudente

Pesquisadores do Instituto Geológico (IG/SMA) e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) apresentaram os resultados do projeto “Delimitação de Áreas de Proteção de Poços de Abastecimento Público - Sistema Aquífero Bauru” em reuniões técnicas realizadas nos dias 25 e 26 de agosto em Presidente Prudente e Marília respectivamente.

A realização das reuniões contou com o indispensável apoio dos Comitês das Bacias Hidrográficas do Pontal do Paranapanema (UGRHI 22) e dos Rios Aguapeí e Peixe (UGRHI 21), do DAEE, através da Diretoria de Bacia do Peixe Paranapanema e da Unidade de Serviços e Obras de Presidente Prudente. Teve ainda o apoio da UNESP de Presidente Prudente e da Coordenadoria de Recursos Hídricos (CRHi) na organização e logística.

Realizado com suporte financeiro do Fundo Estadual de Recursos Hídricos - FEHIDRO, o estudo foi desenvolvido em 120 municípios, das UGRHIs 12 (Baixo Pardo/Grande), 15 (Turvo/Grande), 16 (Tietê/Batalha), 17 (Médio Paranapanema), 18 (São José dos Dourados), 19 (Baixo Tietê), 20 (Aguapeí), 21 (Peixe) e 22 (Pontal do Paranapanema), que utilizam o Sistema Aquífero Bauru para o abastecimento público.

Cada município foi objeto de diagnóstico das condições da proteção sanitária dos poços e a delimitação do Perímetro de Alerta, conforme estabelece o Decreto Estadual nº 32.955/91, com o levantamento das fontes potenciais de contaminação ao redor dos poços. O foco é auxiliar os municípios, com população de até 20 mil habitantes e que utilizam o Sistema Aquífero Bauru para o abastecimento, na implantação de medidas e ações para a proteção dos poços públicos.

Participaram das reuniões representantes de 59 municípios estudados, das UGRHIs 16 (Tietê/Batalha), 17 (Médio Paranapanema), 18 (São José dos Dourados), 19 (Baixo Tietê), 20 (Aguapeí), 21 (Peixe) e 22 (Pontal do Paranapanema), e técnicos de órgãos afins como DAEE, CETESB, Vigilância Sanitária, SABESP e Ministério Público. Outra reunião técnica está prevista para 15 de setembro, em São José do Rio Preto, para apresentar os resultados aos 61 municípios restantes.