sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Técnicos discutem mitigação e gestão de risco de desastres durante o VIII Seminário Estratégias para Redução de Riscos e Desastres

 Cel. PM José Roberto Rodrigues de Oliveira, Ricardo Salles e Luciana Martin Rodrigues Ferreira
Público presente 

Nos dias 22 e 23 de dezembro de 2016 foi realizada a oitava edição do Seminário Estratégias para Redução de Riscos e Desastres a Eventos Geodinâmicos do Estado de São Paulo.

Organizado pela Secretaria do Meio Ambiente e pela Secretaria da Casa Militar, por meio do Instituto Geológico e Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, o evento ocorre anualmente desde 2009 e tem sido um fórum significativo na avaliação de estratégias e ações de redução de risco e desastres em níveis local, estadual e regional, divulgação das atividades do Programa do Estado de São Paulo de Prevenção de Desastres Naturais e de Redução de Riscos Geológicos (PDN), e abordando temas de avaliação e mapeamento de risco, estratégias para evitar, reduzir, mitigar e erradicar o risco, monitoramento e sistemas de informações e formas de capacitação e disseminação de agenda propositiva de gestão de risco de desastres.

Participaram da cerimônia de abertura o secretário estadual do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o secretário-chefe da Casa Militar e coordenador estadual da Defesa Civil, Coronel PM José Roberto Rodrigues de Oliveira e a Diretora Geral do Instituto Geológico, Luciana Martin Rodrigues Ferreira.

Durante a cerimônia foi assinado um aditivo do Acordo de Cooperação Técnica entre a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (CEDEC/SP) e o Instituto Geológico (IG), visando à prestação de apoio técnico, assessoria e atendimento emergencial em situações de riscos geológico-geotécnicos em áreas abrangidas por planos preventivos de contingência de defesa civil.


Dividido em painéis temáticos, as apresentações do primeiro dia enfatizaram as relações da gestão de risco de desastres com o planejamento territorial e o papel da iniciativa privada em ações preventivas para redução de riscos. Ao final do dia discutiu-se o papel da educação na construção da percepção de risco. No segundo dia debateu-se sobre os desafios técnicos de gerenciamento do Plano de Contingência do Polo Industrial de Cubatão e a implantação de plano preventivo para ressacas e marés altas. Ao final abordou-se ações para mitigação e ferramentas de classificação para gestão de risco de desastres.

As apresentações estão disponíveis AQUI


Dia 22/11/2016

Painel 1 “Diretrizes para a gestão de risco de desastres no Estado de São Paulo e o papel da iniciativa privada”. 

- A gestão de riscos no Estado de São Paulo. Coronel PM José Roberto Rodrigues de Oliveira, Secretário Chefe da Casa Militar e Coordenador Estadual de Defesa Civil do Estado de São Paulo. 

- O papel do setor privado na redução de riscos e estudo de caso: Cidades Inteligentes. Fernando Perez de Britto, AI Systems Research (AISR), membro do Conselho Assessor da Aliança do Setor Privado para Sociedades Resilientes a Desastres (ARISE). 

- A gestão de risco de desastres do Estado do Rio de Janeiro. Aline Freitas, Diretora de Geologia do Departamento de Recursos Minerais (DRM), Serviço Geológico do Estado do Rio de Janeiro. 

Painel 2 “Gestão de risco de desastres e instrumentos de gestão territorial”. 

- A proposta de Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado de São Paulo e a prevenção de riscos e desastres. Eduardo Trani - Coordenador da Coordenadoria de Planejamento Ambiental, Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. 

- O Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de São Paulo e a prevenção de riscos e desastres. Zoraide Miranda - Assessora Técnica da Diretoria de Projetos, Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano – EMPLASA. 

- Cartas geotécnicas de aptidão à urbanização: instrumentos de planejamento para prevenção de desastres naturais. Katia Canil, Professora Adjunta da Universidade Federal do ABC. 

Painel 3 “Educação e percepção de risco”

- O mapeamento comunitário contribuindo para o desenvolvimento da resiliência local. Tenente PM Cíntia Pereira Torres Oliveira, Coordenadoria Estadual de Defesa Civil do Estado de São Paulo & Sidnei Furtado Fernandes, Coordenador Regional de Defesa Civil de Campinas, Promotor da Campanha Cidades Resilientes no Brasil. 

- Redução de risco e desastres na comunidade escolar. Ana Carolina Lafemina, Coordenadora da Escola Virtual de Programas Educacionais do Estado de São Paulo, da Secretaria Estadual de Educação.


Dia 23/11/2016 

Painel 4 “Desafios de implantação do Plano de Contingência do Polo Industrial de Cubatão e do Plano Preventivo para Ressacas e Marés-Altas”. 

- Processos de Movimento de Massa e o Plano de Contingência do Polo Industrial de Cubatão. Claudio Luiz Ridente Gomes. Pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo- IPT. 

- O sistema de proteção estrutural do Polo Industrial de Cubatão. Fabricio Gonçalves Jorge. Engenheiro de Meio Ambiente, Refinaria Presidente Bernardes, Petrobras. 

- Manutenção do sistema rodoviário Anchieta - Imigrantes, frente aos fenômenos de risco. Ribamar de Jesus Gomes. Engenheiro, Ecovias. 

- A construção do Plano Preventivo de Defesa Civil para Ressacas e Marés-Alta da Zona Costeira do Estado de São Paulo. Ten. Cel. PM Walter Nyakas Júnior, Diretor da Diretoria de Defesa Civil, do Estado de São Paulo. 

Painel 5 “As Geociências e a Gestão de Risco de Desastres”. 

- Mitigação de corridas de massa: identificação e avaliação. Marcelo Gramani, Pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo- IPT. 

- Ações do Comitê de Bacia Hidrográfica do Ribeira do Iguape - CBH-RB na gestão de risco de desastres. Fábio Rodrigo de Oliveira, coordenador do grupo SIG-RB. 

- Ações da CPRM na gestão de risco de desastres. Andrea Fregolente Lazaretti, Pesquisadora em Geociências, Departamento de Gestão Territorial, Serviço Geológico do Brasil - CPRM. 

- Gestão de riscos de desastres devido a fenômenos geodinâmicos no Estado de São Paulo: cenário 2000-2015. Maria José Brollo, Pesquisadora Científica, Instituto Geológico (IG-SMA). 

- O sistema de classificação de unidades territoriais do Estado de São Paulo e aplicação na análise de perigo, vulnerabilidade e risco. Cláudio José Ferreira, Pesquisador Científico, Instituto Geológico (IG-SMA).

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

18 de novembro, Dia do(a) Pesquisador(a) Científico(a)



A data foi escolhida para celebrar a aprovação da lei complementar nº 125, de 1975, que criou a carreira de pesquisador científico no estado de São Paulo.

As pesquisas científicas desenvolvidas pelo Instituto Geológico (IG) visam contribuir para o desenvolvimento da ciência e tecnologia na área de geociências; o aperfeiçoamento da legislação ambiental; a definição das políticas de ciência e tecnologia em geociências, nos âmbito estadual e federal. São, portanto, desenvolvidas considerando sua aplicabilidade para o desenvolvimento sócio-econômico e ambiental da sociedade e em prol da comunidade.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Instituto Geológico promove VIII Seminário para redução de riscos e desastres




Nos dias 22 e 23 de novembro de 2016, o Instituto Geológico (IG), órgão da Secretaria do Meio Ambiente (SMA), promoverá o VIII Seminário Estratégias para Redução de Riscos e Desastres a Eventos Geodinâmicos no Estado de São Paulo. O evento será realizado no auditório Augusto Ruschi, na sede da SMA, a partir das 8h30.

O evento tem como objetivo avaliar estratégias e ações de redução de risco e desastres desenvolvidas em 2016. Serão enfatizadas relações da gestão de risco de desastres com o planejamento territorial e ações preventivas para redução de riscos. Visando fortalecer a cooperação para o pacto federativo será apresentado um balanço e exemplos das ações dos serviços geológicos dos Estados do Paraná e Rio de Janeiro de da União, além do Estado de São Paulo. O temário abordará ainda discussão técnica sobre os desafios de gerenciamento do Plano de Contingência do Polo Industrial de Cubatão e a implantação de plano preventivo para ressacas e marés-altas.

O seminário é aberto à toda comunidade interessada no tema com foco em servidores públicos municipais e estaduais da área de gestão de risco e desastres, comunidade acadêmica, sociedade civil organizada e setor empresarial. O perfil esperado dos participantes é o de gestores e executores de políticas de redução de risco, quer sejam públicas, do setor produtivo ou da sociedade civil organizada e acadêmicos envolvidos na melhoria da gestão de risco de desastres.

Para ver a programação preliminar CLIQUE AQUI

VAGAS LIMITADAS!

INSCRIÇÕES ENCERRADAS